Posts

empreendedorismo

Manual do empreendedorismo: tudo que você precisa saber

Manual do empreendedorismo: tudo que você precisa saber

De modo geral, o empreendedorismo está em nossas vidas desde sempre. Isso porque, ser empreendedor é ter iniciativa para ver uma dor e, a partir disso, pensar em soluções criativas que gerem valor.

Nesse sentido, podemos perceber que o Brasil tem grande potencial na área. Afinal, o que não faltam são boas ideias para resolver nossos problemas do dia-a-dia. Mas, apesar desse desejo por empreender fazer parte da gente, nem sempre só ousadia e talento bastam para ter sucesso.

Por isso, veja agora o manual que fizemos com tudo que você precisa saber antes de se jogar de vez no empreendedorismo!

O que é empreendedorismo?

O empreendedorismo é uma solução criativa para um problema que existe.

Empreendedoras discutindo a ideia de negócio. Foto: Pexels / Picha Stock

De acordo com o SEBRAE, empreendedorismo é a capacidade que uma pessoa tem de identificar um problema e ver nisso uma chance de gerar valor. Para que isso seja possível, a proposta do empreendedor deve solucionar a dor que ele percebeu.

Nesse sentido, ele investe recursos físicos e financeiros na criação de algo que trará um retorno positivo para todos. O objetivo é o de gerar uma mudança real, que tenha impacto.

Ademais, o empreendedorismo está associado à:

  • idealizar, coordenar e realizar
  • colocar em prática novos negócios
  • identificar problemas e ver oportunidades
  • resolver desafios

Ser empreendedor, o que é?

Ser empreendedor é ter iniciativa e coragem para inovar.

O empreendedor tem iniciativa e coragem. Foto: Pexels / Mentatdgt

Em suma, o empreendedor é aquele que consegue sair da zona de conforto e partir para a ação.

Para que isso seja possível, a pessoa precisa de foco e determinação.

Além disso todo empreendedor precisa ter algumas características como:

  1. Querer encontrar soluções para dores
  2. Saber ver oportunidades
  3. Ter iniciativa
  4. Ser persistente
  5. Saber correr riscos calculados
  6. Ter comprometimento
  7. Saber onde buscar informações
  8. Conseguir estabelecer e cumprir metas
  9. Ter condições de liderar equipes
  10. Ser persuasivo, independente e autoconfiante.

Empreendedorismo na prática

Na prática, podemos entender que é preciso ter um perfil empreendedor. Mas, isso não se resume só a ter talento para vender e criar novos negócios. Até porque existem muitas maneiras de inovar com algum negócio.

Você pode optar por prestar algum serviço ou consultoria, criar e vender um produto ou mesmo partir para o empreendedorismo social e colaborativo.

Como se tornar dono do próprio negócio

Abra as portas de seu negócio e seja um empreendedor.

Abra as portas de seu negócio. Foto: Pexels / Artem Beliaikin

Diante disso, antes de se tornar dono de seu próprio negócio, vale se fazer algumas perguntas. Essas questões vão te ajudar a entender, por exemplo, se seu negócio é viável.

Pegue papel e caneta e responda com calma cada uma de nossas perguntas:

  1. Qual é o seu perfil? Aqui, você deve entender se gosta de trabalhar em equipe ou sozinho, se prefere executar ou coordenar, enfim, são várias possibilidades.
  2. O que te motiva a abrir o próprio negócio? Responda qual é seu maior propósito, o que espera alcançar.
  3. O que você está oferecendo é diferente? Lembre-se de que para empreender você precisa de um modelo novo, que traga algo diferente.
  4. Como você vai agregar valor? Ou seja, como vai transformar sua ideia em um produto ou serviço que lhe trará retorno financeiro.
  5. Quem e onde estão seus clientes? Isto é, defina seu público e como você vai ao encontro deles, ou como ele vai te encontrar.
  6. Como será sua dedicação? Você tem a intenção de se dedicar 100% do tempo ou apenas em tempo parcial?
  7. Qual é a estrutura que você vai precisar? Se você trabalha com algo digital, é provável que na mesa de casa com um notebook e internet já tenha toda a estrutura de que precisa. No entanto, para negócios como estamparia, loja de doces, entre outros, você precisa de mais espaço.
  8. Onde vai se instalar? Você precisa decidir se consegue atuar de casa, se vai alugar um espaço ou mesmo se tem investimento para construir um espaço próprio.
  9. Qual é a burocracia que precisa? Para trabalhar sozinho com um orçamento de até R$81 mil por ano você pode ser MEI. Porém esse modelo não funciona para negócios maiores.

10 dicas para começar a empreender do zero

Se você tem uma boa ideia, saiba como empreender do zero.

O começo de qualquer negócio exige um bom plano de ações. Foto: Unsplash / Annie Spratt

Ao contrário do que pode parecer, empreender não é difícil. Mas, para ficar mais simples de entender, veja 10 dicas para você que está começando do zero.

Com essas dicas será mais fácil de tirar os sonhos do papel e começar a investir no seu futuro hoje mesmo:

1- Iniciativa e coragem

Estas são as características mais importantes dentro do empreendedorismo.

É preciso iniciativa para agir em algo que mude a percepção das pessoas, tudo isso de forma criativa e inovadora.

Além disso, é preciso coragem para assumir riscos calculados e investir em seus sonhos.

2- Atitude empreendedora

Isto é, ter capacidade de assumir os riscos e, a partir disso, executar projetos novos. Para tal, sua postura deve ser de ação diante de uma nova atividade econômica.

A atitude do empreendedor também passa muito por uma atitude de autoconfiança. Ou seja, você precisa acreditar naquilo que vende. Isso porque, se nem você acreditar, quem irá?

3- Pesquisa de mercado

Antes de começar um novo negócio, avalie o que já existe. Conheça o mercado e saiba identificar o que está faltando dentro do seu nicho de atuação.

Depois disso, estude a concorrência, veja onde você se diferencia, quais são os pontos fortes tanto do seu negócio quanto do outro.

Com essa prática, ao começar você já sabe o que vai encontrar e pode montar estratégias para ganhar destaque e espaço no mercado.

4- Plano de ações

Para empreender, monte um plano de ações.

Plano de ações de uma empreendedora. Foto: Unsplash / Christina Wocintechchat

Em síntese, significa criar metas e objetivos claros. Nesse sentido, você precisa investir em três documentos que são fundamentais para qualquer empresa:

  1. Plano de negócios: neste documento você define seus objetivos e como eles serão alcançados.
  2. Planejamento financeiro: ou seja, fazer a demonstração de receitas, custos e capacidade de investimento de seu negócio.
  3. Modelo de negócio: saber como vai transformar seus recursos em produtos e resultados que gerem receita, lucro e retorno do investimento. Você pode usar, por exemplo, um modelo Canvas para organizar seu modelo de negócio.

5- Compartilhar ideias

Em outras palavras significa que, antes de começar, você deve conversar com outras pessoas sobre a sua ideia. Nesse sentido, é importante perder o medo de que alguém vai te copiar ou algo do tipo.

Lembre-se de que você deve acreditar no seu negócio e na sua capacidade de negócio. E, mesmo que alguém resolva copiar, nunca será igual, afinal, seu modelo é único.

Além disso, falar com outras pessoas ajuda a conhecer mais sobre sua ideia. Ademais, essas pessoas podem perceber falhas e pontos para melhorar que você não conseguiria sozinho.

6- Conhecer o básico

Para iniciar um negócio, você precisa saber o básico sobre contabilidade. Isso é importante porque você não pode ficar dependente de outra pessoa para saber se o investimento está dando retorno. Além disso, se você for trabalhar sozinho, será preciso aprender a calcular o fluxo de caixa, margem de lucro, ROI e outros indicadores.

7- Estar de acordo com a lei

No momento em que for começar, você precisa estar de acordo com a lei. Por isso, se certifique de qual regime tributário sua empresa se encaixa e comece com tudo dentro da lei. Tenha um CNPJ e um alvará para funcionar, isso vai gerar um pouco de transtorno no início. Mas depois será muito mais fácil e tranquilo para manter as portas abertas.

8- Estudar bastante

O empreendedorismo exige estudo e atualização constante.

Estude e leia bastante sobre o assunto. Foto: Pxfuel

Mesmo que você tenha domínio sobre o seu modelo de negócio, não esqueça de sempre buscar por mais conhecimento.

Para isso, vale buscar por cursos sobre empreendedorismo e administração online. Ademais, há muito material gratuito ou por preços bem em conta na internet.

Não fique para trás e se mantenha sempre em dia com seus estudos.

9- Perder o medo de agir

Às vezes, você tem uma boa ideia, já conversou com conhecidos e tem tudo pronto para colocar seu empreendimento em prática. No entanto, acaba deixando a ideia de lado por medo de começar.

Nesse sentido, nossa dica é que você perca esse medo. Não adianta ficar sentado esperando ‘a hora certa’. É bem possível que, enquanto você espera, alguém tenha a mesma ideia e coloque a mão na massa. Por isso, depois que tiver sua ideia e tudo que precisa para empreender, perca o medo de agir.

Pode ser que dê errado? Sim! Mas também pode ser que dê super certo, e eu prefiro pagar para ver.

10- Ser paciente

O empreendedorismo exige paciência.

O empreendedorismo exige paciência. Foto: Pexels / Andrea Piacquadio

Ou seja, nem sempre vai funcionar de primeira. Talvez você tenha que mudar de ideia ao longo do tempo. Por isso, você precisa ser paciente.

Bom modelos de negócio não são garantia de sucesso imediato. Nesse sentido, nossa sugestão é investir mais tempo e paciência antes de desistir. Isso é fundamental para qualquer tipo de empreendimento.

Enfim, depois de entender melhor o que é o empreendedorismo, o que você precisa para começar e como fazer isso, está na hora de dar o start.

Para isso, não esqueça das dicas de já te mostramos e se mantenha firme em seu propósito.

Depois que colocar a mão na massa, volte aqui e nos conte como está sendo mudar de vida e ser seu próprio chefe!

marketing e vendas

Marketing e vendas: saiba como unir os setores e aumentar seu lucro

Marketing e vendas: saiba como unir os setores e aumentar seu lucro

Apesar de serem setores diferentes, marketing e vendas estão intimamente ligados. Isso porque o sucesso de um depende do sucesso do outro. Veja como unir estes dois setores ajuda a aumentar as vendas e, de quebra, ter mais lucro!

Marketing e vendas, qual é o papel de cada um

Marketing e vendas devem trabalhar juntos para aumentar os lucros da empresa.

Equipes de marketing e vendas trabalhando em conjunto. Foto: Pexels / Fauxels

Em primeiro lugar, vamos mostrar qual é o papel de cada setor para depois esclarecer como eles podem trabalhar juntos. Vamos lá!

O que o marketing faz?

Em suma, é o setor responsável por construir a imagem da empresa. Ou seja, a forma como as pessoas vêem o negócio.

Ele projeta ações que atraiam novos clientes e cria uma posição estratégica de mercado.

Para que isso seja possível, o marketing faz campanhas publicitárias, controla os canais de comunicação interna e externa da empresa e estimula o engajamento dos consumidores por meio da gestão de mídias sociais.

Se você quiser saber mais sobre o assunto, clique aqui e veja o conteúdo que fizemos sobre o marketing para pequenas empresas.

O que faz o setor de vendas?

Agora, no que diz respeito ao setor de vendas, ou comercial, podemos dizer o seguinte:

É ele quem faz a precificação dos produtos, controla a margem de lucro e faz a abordagem direta ao consumidor.

Para que tudo isso seja possível, é essencial que existam clientes, não é mesmo? É por aqui que começamos a ver a importância dos setores de marketing e vendas atuarem juntos.

Como unir marketing e vendas para aumentar o lucro

Para unir os setores de marketing e vendas invista em reuniões periódicas.

Reuniões periódicas dos setores de marketing e vendas. Foto: Pexels / Fauxels

De modo geral, para unir os dois setores e fazer com que trabalhem juntos, você precisa começar criando uma cultura dentro da empresa. Para que isso seja possível, estimule a troca de informações e também crie metas e objetivos para serem alcançados juntos.

Apesar de tanto marketing quanto vendas ainda precisarem de metas e estratégias diferentes em alguns aspectos, os dois setores precisam se ver como parte de um todo que é a empresa.

Diante disso, vale investir em três ações:

  1. Reuniões periódicas entre as equipes. Com isso, você pode planejar ações conjuntas, elaborar metas e objetivos, definir como alcançá-los e criar um cronograma para isso. Desse modo, você fortalece o trabalho cooperativo.
  2. Unificar as informações. Nesse sentido, é importante que o setor de vendas passe para o marketing as informações que registra sobre a opinião dos clientes, o que está vendendo mais e como os consumidores chegam até você. Em contrapartida, o marketing deve usar essas informações para trabalhar em campanhas que facilitem a chegada de leads até a loja ou empresa.
  3. Tenha um sistema para integrar tudo. Além de unir informações e fazer reuniões periódicas, é essencial que os dois setores trabalhem juntos em um ambiente exclusivo. Nesse ambiente, eles podem acompanhar o desenvolvimento das metas traçadas em conjunto.

Enfim, estas são pequenas ações que podem melhorar a atuação conjunta dos dois setores e, com isso aumentar o lucro da empresa. Afinal, se o marketing sabe qual é o resultado de suas ações, fica mais fácil para traçar novos objetivos. Em contrapartida, os vendedores receberão leads mais dispostos a comprar, o que vai gerar uma receita maior!

 

 

 

camiseta lisa

Onde encontrar boas camisetas lisas para estampar?

Onde encontrar boas camisetas lisas para estampar?

O começo de uma estamparia não é fácil. Exige bom planejamento e estratégia. Além disso, é preciso decidir como vai estampar suas camisetas lisas, em qual tecido, qual modelo e quem vai fornecer o material ideal.

Por conta de tudo isso, vamos te mostrar nesse artigo como você pode encontrar boas camisetas para estampar e começar com tudo.

Para que isso seja possível, veja agora:

  • O que considerar na hora de escolher camisetas lisas para estampar;
  • Como escolher um bom fornecedor;
  • Onde encontrar as melhores camisetas para sua estamparia.

O que considerar na hora de escolher camisetas lisas

Camisetas lisas para estampar, veja onde pode encontrá-las.

Camiseta lisa para estampar. Foto: Pexels / Sebastian Stam

Em primeiro lugar, quando montar sua estamparia, você precisa considerar algumas coisas na hora de escolher camisetas lisas.

Para facilitar o seu trabalho, separamos o que é essencial e que você não deve deixar para trás. Neste sentido, veja o que levar em consideração:

  • Técnica de estamparia
  • Tipo de tecido
  • Modelo de camiseta

Vamos explicar um pouco sobre cada um desses itens. Caso você queira saber mais a respeito de cada um, aqui no blog já falamos sobre esses assuntos!

Qual será a sua técnica usada para estampar

Em resumo, existem 5 técnicas mais comuns quando pensamos em como estampar camisetas lisas. Cada uma dessas técnicas possui suas características e é ideal para um tipo e cor de camisetas. Por isso, fique atento aos detalhes:

  1. Bordado. Mesmo que não seja uma forma de estampar, o bordado é muito usado para customizar camisetas. Ele pode ser artesanal tanto quanto industrial. Além disso, o tecido de algodão é mais recomendado para ser bordado.
  2. Estamparia Laser. Nesse processo, a máquina ‘queima’ o tecido e assim produz a estampa. Apesar de ser bastante precisa, essa técnica só permite estampas de uma cor, o que a faz ser pouco usada.
  3. Estamparia Digital Direta. Também conhecida como DGT, essa técnica é mais cara mas permite a impressão de muitas cores. Ela é bastante usada para estampar fotos e imagens com grande número de detalhes. Usa-se essa técnica em tecidos de algodão de qualquer cor.
  4. Serigrafia. É a técnica mais comum. Em suma, para estampar com serigrafia você precisa de uma tela, um quadro, luz ultravioleta e tela para cada cor. Por meio de um processo de pressão fotossensível, a estampa passa para as camisetas lisas. Neste tipo de técnica, quanto mais camisetas forem feitas, mais barato ele fica. É ideal para tecidos em algodão, de cores variadas. Além disso, para cada cor, é necessário um tipo de tela diferente. Por isso, acaba sendo usado em estampas com menos cores.
  5. Sublimação. Como essa técnica é barata e fácil de ser feita, tem larga demanda. É ideal para tecidos sintéticos que sejam 100% poliéster. Ademais, não desgasta com o tempo e permite técnicas de full print.

Tipo de tecido

Qual será o tipo de tecido que você precisa estampar?

Qual é o tipo de tecido que você precisa estampar? Foto: Pexels / Antwoinette Ayers

Assim como existem vários tipos de técnicas, também temos diversos tipos de tecidos. E, na hora de escolher o melhor, você precisa considerar o tipo de máquina que possui.

Nesse sentido, antes de escolher seu fornecedor, lembre-se de cruzar as informações entre tipo de tecido e tipo de técnica que pretende usar. Ademais, você deve considerar, ainda, qual é a finalidade da sua camiseta. Mas, sobre isso, falaremos daqui a pouco.

Agora, vamos te mostrar quais são os tipos de tecido mais comuns para estampar:

Algodão

Sem dúvida, a malha 100% algodão é a mais comum para estampar. Uma malha de algodão pode ser de 3 tipos: fios cardados, fios penteados e estonado. Cada uma tem funções e usos diferentes, mas, em geral, você consegue estampá-las com quase todos os tipos de técnicas, exceto a sublimação.

Piquet

Também conhecida como polo, tem na sua composição 50% algodão e 50% poliéster. Com isso, ela é bastante prática e resistente. Além disso, é bastante usada para confecção de uniformes profissionais.

Poliviscose (PV)

Esse tecido é 67% poliéster e 33% algodão. Por isso, é bastante leve e barato. Já pode ser usado para sublimação, apesar de não ser o mais recomendado. Ademais, uniformes escolares geralmente são feitos com esse tecido.

Helanca

É, com toda certeza, o tecido ideal para sublimação. Isso porque é 100% poliéster, bastante resistente e barato. Na indústria, esse tecido é usado para estampar camisetas lisas de blocos de carnaval e de grandes eventos.

Dry fit

Em suma, é um tipo de tecido sintético, bem leve, que não absorve água. Por conta disso, é usado para produção de material esportivo. Sendo estampado, em geral, por meio de sublimação. Além disso, possui duas variações: pode ser de poliéster ou de poliamina.

Modelos de camisetas lisas

Existem muitos modelos de camisetas lisas para estampar.

O modelo e camiseta de manga curta com gola careca é o mais popular. Foto: Pexels / Cristian Benavides

Na hora de encontrar camisetas lisas de qualidade para estampar, o modelo delas também é importante. Por isso mesmo, é bom conhecer algumas opções que você tem disponível.

De modo geral, os modelos estão divididos em 4 categorias: manga, gola, corpo e tamanho. Mas, é claro que essas categorias se juntam no momento da escolha. Aliás, como você pode ver pela descrição da nossa última foto, o modelo está usando uma camiseta de manga curta com gola careca.

Veja agora, o que é essencial para saber na hora de escolher o modelo de camisetas lisas ideal:

  • Manga: você pode escolher entre camisetas sem manga, no estilo regatinha, com manga curta ou ainda com manga longa. Nesse sentido, basta pensar na finalidade da sua camiseta: se for para praticar esportes, melhor é uma camiseta sem manga, por exemplo.
  • Gola: aqui existe uma infinidade de tipos. Mas, em resumo, podemos citar: careca (mais popular), gola em U, gola em V, gola portuguesa e gola polo. Novamente, cada tipo tem uma função diferente. A gola careca e a polo são usadas, por exemplo, em ambientes mais formais. Enquanto que a gola em U é para situações informais.
  • Corpo: essa característica diz respeito às diferentes costuras que uma camiseta pode ter. Por exemplo, camisetas femininas costumam ser mais acinturadas, enquanto que as masculinas são retas.
  • Tamanho: no que diz respeito a essa característica, cada marca possui sua própria forma de determinar os tamanhos. No entanto, dentro de sua linha, geralmente os tamanhos variam em 2 ou 3 centímetros de um para o outro.

Para saber mais sobre os detalhes de cada característica, clique aqui.

Qual é a finalidade da sua camiseta

Antes de mais nada, você precisa definir a finalidade da sua camiseta. Por mais que já falamos bastante sobre as técnicas de estamparia, tipos de tecido e modelos de camiseta, saber para o que se destina a camiseta é essencial.

Afinal, você não pode usar um tecido de helanca para fazer uma camiseta de gola polo que será usada por advogados. Isso será bem estranho.

Por isso, conheça bem o seu produto e público alvo, depois escolha o tipo certo de camiseta lisa para estampar.

Dito isto, vamos escolher um bom fornecedor?

Como escolher um bom fornecedor para camisetas lisas?

Escolher um bom fornecedor é essencial para garantir a qualidade de suas camisetas lisas para estampar.

Jovem com uma camiseta lisa. Foto: Pexels: Cottonbro

Depois de tudo o que falamos, para escolher um bom fornecedor, você precisa se fazer as seguintes questões:

  1. Para qual atividade as camisetas serão usadas? Será para prática de esportes, para uniformes ou usado em grandes eventos, por exemplo.
  2. Qual é meu público alvo? Vendedores de loja, atletas, fãs de séries, jogos ou filmes.
  3. O produto tem qual finalidade? Será vendido em um e-commerce de produtos exclusivos, entregue como brinde de evento, usado para divulgação?

Antes de decidir por um fornecedor, você deve ter essas perguntas em mente e deve saber para o que vai usar as camisetas. Além disso, essas questões também são importantes para definir a técnica de estamparia e tipo de tecido. Por isso, não deixe de fazer isso.

Onde encontrar um fornecedor de qualidade para camisetas lisas?

Por fim, o mais importante. Depois que você tiver definido tudo o que já falamos acima, surge o momento crucial de sua estamparia: escolher um bom fornecedor para camisetas lisas.

Esse passo é o que vai determinar a qualidade do seu produto. Por isso, não economize ou espere por milagres.

Escolha logo um fornecedor que te garante:

  • Qualidade sempre igual.
  • Que seja confiável e tenha bastante tempo de mercado.
  • Que possa repor, rapidamente, o seu estoque.
  • Com grande variedade de cores, modelos, tamanhos e tipos de tecido.
  • Que esteja disponível para solucionar suas dúvidas.

Diante disso, nada melhor do que confiar na Disque Camisetas para fornecer camisetas lisas de alta qualidade a preço justo. Vale a pena conferir o catálogo que a fábrica oferece. Ali você vai encontrar camisetas de diferentes tecidos e para várias ocasiões. Ademais, você pode entrar em contato com a empresa para tirar dúvidas sobre os materiais e o processo de compra.

Além de comprar um produto com excelente qualidade, você também vai investir na sua marca. Afinal, seu cliente ficará muito satisfeito ao adquirir uma camiseta que não estraga nas primeiras lavagens, não é mesmo?

Antes de ir, deixe seu comentário para a gente. Dessa forma, podemos continuar a produzir conteúdos que realmente resolvam suas dúvidas sobre o universo das camisetas!

Fazer a contabilidade de sua loja é importante para manter as contas em dia.

Como fazer a contabilidade de uma loja sem errar

Como fazer a contabilidade de uma loja sem errar

Para abrir uma loja, a primeira coisa que você deve pensar é no seu plano de ações. E, dentro dele, é preciso incluir a contabilidade. Ou seja, definir bem como vai fazer o controle de toda a movimentação financeira de seu negócio.

Nesse sentido, estamos aqui para te ajudar e dar o pontapé inicial. Veja agora as vantagens de ter o controle das finanças e também como fazer a contabilidade sem errar.

Qual é a importância de fazer a contabilidade da loja?

Não importa se você tem uma loja virtual que opera sem estoque ou uma loja física. O mais importante é entender que todo negócio seja grande ou pequeno, virtual ou físico, precisa ter o controle de toda a movimentação financeira. Isto é, precisa saber o que entra e sai de dinheiro.

Desse modo, fazer o controle contábil garante que você:

  • identifique os gargalos e possa cortar gastos
  • tenha um aumento da eficiência de sua gestão
  • possa calcular seu ROI
  • esteja dentro da lei, de acordo com seu regime tributário

Como fazer a contabilidade sem errar

É bastante fácil de fazer a contabilidade de uma loja e não errar.

O controle contábil pode ser feito por meio de um software. Foto: Unsplash / Austin Distel

Diante de tudo que já dissemos, é fundamental saber por onde começar, não é mesmo?

Para início de conversa, você precisa separar o dinheiro da empresa do seu dinheiro. Em outras palavras, nunca misture o seu dinheiro com o que é da empresa. Apesar da loja ser sua, você precisa se ver e agir como um funcionário e deve ter um salário fixo.

Depois que fizer isso, pode começar, de fato, o controle contábil. Vamos lá!

1- Regularize a sua situação

Em primeiro lugar, você precisa entender qual é a natureza jurídica do tipo de loja que pretende abrir. Depois disso, precisa definir seu porte e também o regime tributário.

Para fazer isso da melhor forma possível, é essencial contar com a ajuda de um contador. Se o seu orçamento é pequeno, saiba que hoje em dia, você já tem esse tipo de serviço online por preços acessíveis. Esse custo pode ser considerado um investimento na saúde financeira da sua futura loja.

2- Tenha um planejamento financeiro

Esse plano vai ajudar você a traçar metas e ter objetivos mais claros na hora de conduzir o negócio. Veja aqui como fazer um bom planejamento financeiro.

3- Controle o fluxo de caixa

Ou seja, saiba exatamente o quanto entra e sai de dinheiro da loja. Além disso, você precisa saber de onde vem e para onde está indo seu dinheiro. Nesse sentido, vale investir um tempo e fazer uma planilha no Excel, ou então, adotar um software para isso.

4- Tenha uma rotina contábil

Que, em outras palavras, significa adotar o controle contábil como uma prática da empresa. Desse modo, você automatiza a tarefa de anotar todas as movimentações financeiras e, com o tempo, passa a ser uma prática normal.

Você pode começar anotando na planilha ou software as movimentações e agendar um dia por semana para verificar se está tudo certo.

Por fim, fazer a contabilidade pode ser mais fácil do que imagina. Por isso, invista em aprendizagem, se atualize e esteja sempre de acordo com a lei. Isso vai fazer com que seja mais tranquilo administrar sua loja.

Ademais, antes de ir, não esqueça de comentar como você faz o controle contábil da sua loja!

planejamento financeiro

O passo a passo do planejamento financeiro perfeito

O passo a passo do planejamento financeiro perfeito

Quando se tem uma empresa, fazer a gestão do plano de negócios não pode ser um bicho de 7 cabeças. Muito pelo contrário. O gestor precisa administrar bem a empresa e, para isso, nada melhor do que ter um bom planejamento financeiro.

Para saber como fazer o seu, siga com a gente e veja esse passo a passo simples:

Planejamento financeiro: definição

O planejamento financeiro de um negócio mostra as receitas, despesas e capacidade de fazer novos investimentos.

O planejamento financeiro perfeito exige atenção e cuidado. Foto: Unsplash / William Iven

Em suma, o planejamento financeiro é uma ferramenta de gestão de empresas que ajuda a entender a saúde do negócio. Com ele você pode, por exemplo, ter a ideia exata de quais são as receitas e despesas do negócio.

Ademais, com um bom plano financeiro, você consegue calcular o ROI da empresa e saber se o negócio está dando lucro. A partir disso, pode-se avaliar a viabilidade da empresa.

Passo a passo do planejamento financeiro perfeito

Faça um bom plano financeiro com a ajuda de toda a equipe.

Equipe atuando em conjunto para fazer o planejamento financeiro. Foto: Pexels / Andrea Piacquadio

Depois que você entender o que é esse tal de planejamento financeiro, podemos colocar a mão na massa e mostrar alguns passos simples de como montar o seu.

Passo Zero do planejamento financeiro

O primeiro passo, que vamos chamar de zero, é algo que vem antes de qualquer coisa. Isto é, em primeiro lugar, separe o seu dinheiro do dinheiro da empresa.

Nesse sentido, entenda que você é um gasto para o negócio e deve ter um salário fixo. O lucro da empresa é da empresa e não seu.

Passo 1 – Conheça sua empresa

De modo geral, saiba tudo sobre seu negócio, como funciona a produção, venda e logística. Ademais, como é a estrutura financeira, pontos positivos e negativos. Enfim, tudo que estiver ao seu alcance.

Passo 2 – Deixe todas as informações em planilhas

Ou seja, registre qualquer tipo de operação da empresa. Tenha planilha para controlar fluxo de caixa, saber o total de custos (entre custos fixos e variáveis), projetar receitas, gestão de funcionários.

Nesse sentido, vale registrar tudo pois ajuda no passo seguinte:

Passo 3 – Tenha um plano de ação

O plano de ação é o responsável por dizer como o negócio será organizado. Desse modo, a partir dos dados que você coletou com as planilhas:

  • Defina metas e objetivos alcançáveis.
  • Divida o serviço de gestão com os responsáveis.
  • Imagine diferentes cenários para a empresa: positivos, negativos e instáveis, por exemplo.
  • Por fim, não esqueça de registrar tudo.

Passo 4 – Faça avaliações constantes

Por último, refaça seu planejamento financeiro de tempos em tempos. A frequência pode ser definida de acordo com seu modelo de negócio.

Mas, o importante é estar de olho se as ações estão funcionando, se as metas e objetivos estão sendo atingidos. Caso contrário, reúna novamente a equipe e crie um novo plano de ação.

Refeito o plano, coloque-o em prática e comece o ciclo outra vez.

Planejamento financeiro perfeito

Por fim, temos uma última dica: além de fazer o planejamento financeiro de seu negócio, faça também um Canvas. Em suma, o Canvas é uma representação gráfica de todo seu modelo de negócio. Com ele você pode ter uma noção exata dos pontos vitais de seu plano financeiro.

Enfim, antes de ir, deixe seu comentário para sabermos o que está achando do nosso conteúdo!

 

Marketing para pequenas empresas: o que não pode faltar

Marketing para pequenas empresas: o que não pode faltar

Pequenas empresas estão sempre com o orçamento apertado, operam com margem de lucro pequena, tem equipe reduzida e prazos curtos. Desse modo, pensar em marketing parece algo muito distante. No entanto, vamos te mostrar que o marketing para pequenas empresas é essencial.

Além disso, queremos te mostrar uma lista com o que não pode faltar quando criar anúncios para sua empresa!

Marketing para pequenas empresas

Pequenas empresas têm dificuldades para criar campanhas de marketing.

Pequeno negócio de food truck. Foto: Pexels/Kampus Production

Não importa o tamanho da empresa, ter boas estratégias de marketing sempre é bom. Isso porque é um tipo de investimento que pode atrair muitos clientes e, claro, mais vendas.

Mas, com o orçamento apertado, sabemos que é difícil para pequenas empresas criarem boas campanhas de marketing. Nesse sentido, acompanhe nossas dicas sobre o que não pode ficar de fora.

Antes disso, perceba que muitas coisas podem ser feitas por você, basta ter o acompanhamento de um profissional da área para te ajudar. Ou seja, não é necessário um investimento muito alto!

Dicas para o marketing para pequenas empresas

1- Crie uma marca

Caso você ainda venda de porta em porta, ou tenha um pequeno negócio que opera de casa mesmo, chegou a hora de se profissionalizar.

Para isso, abra uma pequena empresa, se legalize. você pode optar por ser um MEI, por exemplo.

Depois disso, crie uma marca própria. Invista num logo próprio, com cores definidas e mantendo estilo e design que combinem com seu propósito. Ou seja, invista no rosto de sua marca.

2- Planeje com cuidado

Antes de começar, veja se suas ideias são viáveis e vão te ajudar a crescer. Em seguida, tenha objetivos e metas claros e planeje como vai atingi-los.

Isto é, estruture tanto seu negócio quanto sua campanha de marketing. Ademais, vale completar o planejamento estudando quem é seu cliente, qual é o perfil deste.

3- Use a internet a seu favor

Hoje em dia, o marketing digital está em alta. Por isso, invista em tudo que a internet pode te dar.

Comece posicionando sua marca no Google Meu Negócio, para ela aparecer nas buscas.

Depois disso, tenha redes sociais e use-as ativamente, Ou seja, poste conteúdos relevantes e responda aos clientes.

Ademais, também vale investir num website para expandir sua ação online.

4- Tenha materiais grátis

Para criar fidelidade, invista em campanhas que dêem benefícios aos clientes. Vale investir no esquema de compre 2 leve 3, ou então ter algo para seus clientes degustarem, caso seu negócio seja na alimentação.

O mais importante é que os materiais distribuídos sejam compatíveis com seu tipo de negócio.

5- Diversifique as estratégias

Vá além da internet!

Apesar de ser o melhor espaço para divulgação, pode ser que seu público não esteja ali. Por isso, identifique onde está seu público e depois invista em marketing em canais de rádio locais, em jornais ou outdoors na cidade.

O marketing para pequenas empresas ajuda a impulsionar as vendas.

Equipe de marketing planejando uma ação. Foto: Pexels / Kaboompics

Dica extra de marketing para pequenas empresas

Invista em um sistema de gestão de relacionamento com o cliente, ou seja, um CRM. Para isso, você não precisa pagar nada, afinal, já existem bons softwares de CRM gratuitos para você explorar. Com um CRM você consegue gerenciar e analisar seus clientes e vendas, o que ajuda muito a planejar boas campanhas de marketing.

Depois que você finalizar a leitura, será a hora de colocar em prática essas dicas. Com seu plano em prática, você terá mais clientes e poderá, quem sabe, aumentar as vendas e expandir o negócio. Agora, mãos à obra!

 

 

 

calcular ROI

Calcular ROI: seus investimentos valem a pena?

Calcular ROI: seus investimentos valem a pena?

Muitas vezes, ao iniciar um novo negócio, o empreendedor pode se sentir inseguro. Surgem perguntas como, por exemplo: como investir? Vou ter lucro? Quando? Para que fique mais fácil responder essas perguntas, calcular o ROI do investimento é uma alternativa.

O cálculo do retorno de seu investimento aliado ao planejamento financeiro vai te deixar mais tranquilo para continuar!

Para um empreendedor iniciante, calcular ROI ajuda a dar mais tranquilidade.

Calcular ROI ajuda o empreendedor a ter mais tranquilidade. Foto: Unsplash/Adeolu Eletu

O que é ROI?

ROI é a sigla para “Return Over Investiment” ou, no bom português, “Retorno Sobre Investimento”. Em suma, é uma métrica financeira que indica o quanto um investimento dá de lucro ou prejuízo.

De acordo com o SEBRAE/SC, o ROI é o responsável por dar informações de quanto a empresa ganha ou perde em cada tipo de negócio que investe.

Portanto, ele é fundamental para qualquer tipo de empresa, não importa se é grande ou pequena.

Isso porque, com o cálculo do ROI atualizado e revisado, você vai ter várias vantagens:

  • será mais fácil para tomar decisões sobre novos investimentos
  • vai conhecer os gargalos e pontos críticos do negócio
  • será possível traçar novas metas
  • vai ajudar a área de marketing informando se as campanhas estão dando certo

Diante de tudo isso, nada melhor do que aprender a calcular ROI, não é mesmo?

Com o cálculo do ROI você sabe se o investimento teve ou não retorno.

Vale a pena calcular o ROI. Foto: Pexels/Fauxels

Como calcular ROI?

Sem dúvida, o cálculo do retorno sobre o investimento vai agregar valor à sua marca. Por isso, fique atento à pequena fórmula que vamos te mostrar e também ao exemplo:

Para que fique mais fácil de organizar, antes de começar, tenha em mãos quanto você gastou em um investimento e também o quanto já ganhou com ele. Isto é, anote todos os seus custos e receitas. Agora, vamos lá!

O cálculo do ROI é o seguinte:

  • (QUANTO GANHEI – QUANTO INVESTI) / QUANTO INVESTI
  • Ou seja, primeiro você vai subtrair o quanto teve de receita pelo valor do investimento.
  • Em seguida, divide pelo valor do investimento de novo
  • Pronto!

Só para ilustrar, aí vai um exemplo.

Imagine que você tem uma loja que vende camisetas online, para começar, você investiu R$3 mil. Nos seus custos está a compra de camisetas lisas, o pagamento pelo serviço de estamparia, marketing, energia elétrica, tempo, etc. Enfim, tudo que você investiu até ter o material pronto para vender. Agora, quanto à receita, ela foi de R$9 mil. Assim sendo, vamos aplicar os números na fórmula:

  • 9000 – 3000 / 3000
  • 6000 / 3000 = 2

O resultado final é quanto o seu investimento te deu de retorno. Neste caso, foi de 2x. Ou seja, para cada 1 real investido, você teve um retorno de R$2,00.

Para saber quanto isso dá em por cento, basta pegar o valor final e multiplicar por 100. Em nosso exemplo, o resultado será de 200%.

ROI na prática

Neste momento, é a sua hora de calcular o ROI de seu investimento. Caso o valor seja negativo, indica que algo está errado e você precisa analisar a situação.

Outros indicadores que podem te ajudar são o Break-Even Point e o Pay Back. Eles atuam em conjunto ao ROI e mostram quanto você precisa ter de receita para sair do prejuízo e o tempo que leva até o negócio te dar lucro.

Agora é a sua vez, calcule o ROI da sua empresa e depois nos conte como está!

produção em massa

Produção em massa: como gerenciar e manter o controle

Produção em massa: como gerenciar e manter o controle

Em meio a um mercado muito competitivo, encontrar maneiras de deixar seu produto mais barato e manter a qualidade, é um desafio. Diante desse cenário, investir na produção em massa pode ser um caminho viável.

Além disso, também se torna importante conseguir gerenciar e manter o controle de produção. Veja como fazer isso:

A produção em massa torna seu produto mais barato e atraente ao consumidor.

Produção em massa de uma indústria. Foto: Unsplash/Remy Gieling

Conceito de produção em massa

A saber, a produção em massa é uma maneira de fabricar grandes quantidades de produtos com custo baixo, usando mão-de-obra pouco especializada e mantendo um padrão de qualidade.

Adotando esse modelo de produção, as empresas deixam seus produtos mais competitivos e tem um estoque que permite diminuir os prazos de entrega. Isso faz com que a margem de lucro do produto aumente.

Produção em massa

Sem dúvida, ter um sistema de produção em massa faz com que todo o processo fique mais rápido e inteligente. Mas, não basta apenas colocar um sistema em prática e depois esperar que a mágica aconteça.

Para que o modelo funcione, os gestores precisam saber como:

  • gerenciar o negócio e
  • manter o controle sobre a produção

Como gerenciar

Para gerenciar a produção em massa você pode usar um software de gestão.

Mulher controlando a gestão da produção em massa da empresa. Foto: Pexels/Christina Morillo

Em síntese, para gerenciar um modelo de produção em larga escala, o gestor deve conhecer todos os processos da indústria. Com isso, não estamos dizendo que ele precisa dominar o uso de cada máquina ou processo e sim saber como o negócio funciona e qual é a importância de cada etapa.

Para que isso seja possível o gestor e a empresa precisam de um bom planejamento e de estrutura adequada.

Nesse sentido, vale investir na criação de um Planejamento e Controle de Produção (PCP). Esse plano permite, por exemplo:

  • a gestão dos recursos e atividades
  • o controle da entrada de matéria-prima
  • a observação de como essa matéria se transforma em produto manufaturado
  • saber como se dá a saída de cada tipo de mercadoria

Caso a sua empresa ainda seja pequena, o controle pode ser iniciado por meio de planilhas no Excel. No entanto, se o negócio envolver muitos colaboradores e parceiros, você deve investir em bons softwares de gestão. Vale também escolher programas que armazenam informações na nuvem, pois estes facilitam o acesso de qualquer lugar.

Por fim, se você quiser conhecer mais sobre os tipos de produção em massa, o SENAI Empresa tem conteúdos que podem te ajudar.

Como manter o controle

Além de saber gerenciar a produção em massa, você precisa manter o controle sobre ela, não é mesmo?

Para isso, siga algumas dicas:

  1. Em primeiro lugar, crie um sistema de etiquetas com código de barras para controlar o que entra, fica e sai do estoque.
  2. Equilibre a produção atual com o estoque existente e as projeções de vendas.
  3. Faça revisões preventivas e mantenha boas práticas de fabricação.
  4. Por último, escute seus colaboradores. Para que isso aconteça, crie uma maneira deles falarem com você, seja por reuniões de equipe, seja por uma caixa de sugestões. Em muitos casos, quem atua de modo direto na produção tem bastante a contribuir para a qualidade e eficiência.

Em suma, a produção é vista como o coração da empresa. Por isso, criar um modelo de produção em massa eficiente ajuda a manter seu negócio funcionando e gerando lucro.

Antes de ir, deixe seu comentário para sabermos o que está achando do nosso conteúdo!

Dicas de vendas ajudam a alavancar o seu negócio.

5 dicas de vendas que vão alavancar o seu negócio!

5 dicas de vendas que vão alavancar o seu negócio!

Empreender no Brasil é uma grande ideia. Mas, nem sempre ter o dom para vendas garante o sucesso do negócio. Por isso, ter acesso a boas dicas de vendas ajuda a conquistar novos clientes.

De acordo com o programa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em 2019, 39% dos brasileiros já empreendiam de alguma maneira. E dado as características do mercado atual, esse número vai ser ainda maior nos próximos anos.

No entanto, para seu negócio permanecer aberto, você deve saber “vender seu peixe”. Mais do que um dom, vender também é prática. Foi pensando nisso que criamos 5 dicas de vendas avassaladoras, confira:

Vendas para alavancar o negócio

Sem dúvida, converter prospects em leads e depois leads em clientes, não é tarefa fácil. Num mercado cada vez mais competitivo, é essencial saber vender. E, para isso, o papel do vendedor é fundamental. Isso porque é ele que terá contato direto com o cliente.

Nesse sentido, vale a pena te contar algumas dicas que você pode seguir na hora de vender seus produtos ou serviços:

5 Dicas de vendas para não errar

1- Conheça aquilo que vende

Para ser um bom vendedor, você deve conhecer aquilo que vende. Aliás, você precisa acreditar no seu produto e nas qualidades dele.

Assim sendo, nossa sugestão é que você seja curioso e estude ao máximo. Assim, você vai poder responder ao cliente porque confia no que vende e no que ele se diferencia do que já existe.

2- Acompanhe o prospect durante todo o processo

Ou seja, conheça seu prospect e acompanhe toda a jornada dele pelo funil de vendas, até que se transforme em um cliente.

Mas não é só isso. Depois de concluída a jornada, recomendamos que você se mantenha próximo ao cliente. Para isso, faça contato por e-mail, por exemplo. Além de ser mais barato manter um cliente do que conquistar novos, isso também ajuda a fidelizar o cliente.

3- Venda ideias e emoções

Por mais que pareça estranho, você nunca vende o produto em si. O que você deve vender são ideias e emoções.

Em outras palavras, você precisa despertar no cliente o desejo pelo produto pela via da emoção. Isso pode ser feito por meio de memória afetiva ou então de recordações mais recentes. Por isso é tão importante conhecer seus clientes.

4- Esteja atualizado

Todo bom vendedor deve estar atualizado. Assim, estude sempre que puder sobre vendas, aprenda a identificar as dores de seus clientes e a fazer as perguntas certas.

Ao se dispor a aprender sempre, o vendedor garante que vai entender melhor o cliente e, com isso, vai conseguir fazer mais vendas ao longo do tempo.

5- Aprenda a ouvir “não”

É preciso entender que, mesmo conhecendo seu produto, cliente e estudando, você ainda assim não vai garantir somente respostas positivas. Essa é nossa dica mais valiosa: aprenda a ouvir um “não” das pessoas que chegam ao seu produto de alguma forma.

Depois disso, procure analisar e entender a situação, para aprender com ela. Mas sem desespero, nem sempre a culpa está em você ou no cliente. Às vezes só não era nem a hora nem o momento certo.

Dicas de vendas: é hora de vender mais

Enfim, aprender a vender leva tempo e você vai conseguir prospectar. Por isso, tenha um pouco de paciência, estude e pratique muito!

E agora, é sua hora de vender, vamos lá!

 

Para abrir uma estamparia online você não precisa ter um estoque.

Como ter uma loja de estamparia online sem estoque

Como ter uma estamparia online sem estoque

Seja para trabalhar somente com isso, seja para ter uma renda extra, investir em negócios na internet é uma boa opção. Dentro desse setor, a estamparia online sem estoque é uma boa opção. Principalmente para quem tem pouco dinheiro para começar.

Veja a seguir como você pode ter sua loja de camisetas estampadas online e sem estoque no modelo do dropshipping.

O que é dropshipping?

No modelo de dropshipping você pode ter a estamparia online sem estoque.

Estoque de um fornecedor para lojas online. Foto: Pexels/Winson.

Antes de mais nada, precisamos explicar esse termo em inglês de que falamos. Em suma, o dropshipping é um modelo de negócio em que a empresa opera sem estoque.

Mas, como isso funciona?

O dono da loja online foca nas vendas, marketing e design de seus produtos. Enquanto isso, o estoque, produção e envio ficam a cargo de um fornecedor.

Isto é, o e-commerce vende um produto e, ao mesmo tempo, envia uma ordem ao fornecedor, que fabrica e envia ao cliente.

Como vender online

Para que seja mais fácil vender online, você precisa estar atento a alguns detalhes:

  • qualidade do seu produto
  • planejamento financeiro
  • plano de ação na internet
  • nicho de atuação
  • tenha criatividade

Se você tem interesse em saber mais, veja nosso artigo sobre como vender camisetas online.

Loja de estamparia online sem estoque

O dropshipping permite que empreendedores com pouco dinheiro possam abrir um negócio. Para isso, você deve ser criativo e ter disposição para trabalhar.

Além disso, tenha atenção:

  • com a qualidade do tecido de seus fornecedores
  • a área de atuação do seu negócio
  • a criatividade e exclusividade de seus designs

Como criar a estamparia online

Para abrir uma estamparia online você não precisa ter um estoque.

Cabides vazios em uma loja de estamparia online sem estoque. Foto: Pexels/Elina Krima

Por fim, nada melhor do que um passo a passo para mostrar como ter uma loja de estamparia online sem estoque. Então, vamos lá!

Passo 0: defina seu plano de negócio.

Nesse sentido, você deve decidir como sua empresa vai funcionar, qual o nicho de atuação, como vai operar.

Passo 1: crie uma marca própria.

Antes de começar a criar designs, você precisa definir qual será o nome da marca e verificar se ela já existe ou não. Para saber se o domínio já existe, basta conferir nos sites:

Passo 2: crie um site em um hospedeiro de dropshipping.

Existem diversos hospedeiros para lojas sem estoque, no entanto, os mais relevantes estão em inglês. Aliás, o mercado de camisetas online é muito forte na Europa e Estados Unidos. Por isso, vale estar atento ao que acontece nesse setor no exterior.

Para hospedar seu site, você pode usar o Monlink ou o Shopify.

Passo 3: desenvolva designs criativos e únicos.

Visto que o mercado é aquecido e concorrido, para se destacar, você precisa ter designs que atendam seu público-alvo e que sejam diferentes do que ele já encontra online.

Passo 4: encontre bons fornecedores.

A qualidade de suas camisetas é o que moverá seu negócio. Por isso o tecido, forma de impressão e estampas precisam ser adequados.

Passo 5: coloque seu site no ar.

Por fim, se posicione na internet e comece a vender suas estampas online e sem estoque!

Dica extra

Antes de ir, temos uma última dica:

  • Além de criar um site para sua estamparia online, tenha também outros canais de contato com seus clientes. Você pode, por exemplo, investir em um blog, perfil no Instagram ou página no Facebook

Nesse momento, é hora de pôr a mão na massa, tirar as ideias do papel e investir em um negócio online com baixo custo!